traulitadas @ 10:47

Seg, 14/11/05

...Confinadas ao futuro certo da permanência daquele espaço, despreocupadas produzem o que a natureza lhes destinou, sem perguntas, sem resistência aceitam o seu desígnio...



Ao terceiro e ultimo dia o regresso.



Depois de breves mas interessantes passagens por lugares emblemáticos da antiguidade o regresso é agora iminente.



Tudo está preparado, aliás pouco há a preparar, este foi o pressuposto de uma pequena viagem ao deserto.



A despedida ao Sahara é feita ainda o sol não nasceu. Se no dia anterior tinha sido belo ver o ocaso, que dizer então do nascer do sol em pleno deserto…



Para este dia estava marcada um raid em jipe pelo deserto, por caminhos estranhos diziam. O motorista estava á nossa espera. O som “daquela” música já era audível. Ao início era divertido, mas passadas algumas horas de agradável passou a massacrante onde a única pessoa que se divertia e cantarolava era o motorista.



Por caminhos difíceis, tivemos o prazer da companhia de um casal espanhol que durante 6 horas de viagem teve a amabilidade de dizer bom dia e pouco mais ( num te intiendo – diziam eles), mas tudo bem; adiante.



Fosse qual fosse o ponto de paragem e de visita, havia sempre alguém a vender qualquer coisa. De todos os artefactos e pedras o que mais me fascinou foi a “Rosa do Deserto”.



 desert rose.jpg



Uma pedra estranha, mas com uma beleza “sui generis”, de tamanhos, pesos variados mais ou menos floridas; sem duvida uma recordação do deserto.



No meio do nada um lago salgado, um local onde se extrai o sal, único aquele lugar onde as cores se misturam em cristais belos e efémeros.



Ao longe avista-se o que resta de uma povoação em tempos dizimada pelas cheias!!! Estranho este lugar!!!



Mais á frente uma lixeira!!! Resíduos de uma fábrica fertilizantes…. Isto tudo no meio do deserto…



Por fim um oásis de montanha. Um local onde em tempos o mar deixou os seus vestígios, conchas dos mais variados feitios ali impregnadas nas rochas “lamacentas” ressequidas pelo calor.



Estava perto do fim a viagem, sem no entanto que as surpresas acabassem. Ali onde um episódio da saga “Guerra das Estrelas” tinha sido rodado uma paragem para retemperar forças e descansar a coluna de uma viagem efectuada aos solavancos, um local para tomar um chá de menta bem quentinho. E que bem sabe um chá quentinho no meio do deserto, já para não falar da aguardente de figo…



Até sempre Sahara, um dia voltaremos a visitar-te…



Porque nem sempre tudo tem que fazer sentido!!!
Novembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
16
17
18
19

20
21
22
24
25
26

27
28
29
30


Pesquisar
 
blogs SAPO